Apresentação

Terapia Cognitiva Comportamental

 
 

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, trazemos à tona determinados comportamentos que, sem que saibamos, estão ligados à traumas do passado, emoções e pensamentos distorcidos e que não condizem com a realidade externa, gerando dificuldade nas relações, angústias, tristezas, conflitos e, por consequência, problemas, por vezes, sentidos como indissolúveis.

O momento de buscar ajuda é, justamente, diante da observação de que os conflitos se repetem e que não se diluem ou amenizam. Quando nos questionamos o que fazer e não encontramos respostas. Este é o momento de pedir ajuda na tentativa de trazer à luz a compreensão de sua parcela de responsabilidade diante dos acontecimentos repetitivos que geram dificuldades em movimento crescente ou “engessado”.

 

Se não buscar ajuda o que pode acontecer?

Se o indivíduo está passando por dificuldades e, como citado acima, tem a sensação de que está em problemas “indissolúveis” que se repetem e não buscar ajuda, a tendência é um caminhar para a cronificação, gerando cada vez mais dificuldades e agravamento dos sintomas.

Quando devo procurar ajuda de um psicólogo? 

Como escolher o seu psicólogo ?

Quem nunca fez psicoterapia e num dado momento da vida passa a pensar na possibilidade, adquire perguntas internas do tipo: como a psicoterapia vai me ajudar? Como escolher um psicólogo? O que vou falar para o psicólogo? Serei julgado se contar aquele meu “segredinho” que ninguém sabe porque nunca tive coragem de contar? O que o psicólogo vai pensar de mim se eu contar? Se as pessoas souberem que estou fazendo terapia, vão achar que sou louco (a)?

 

Essas e outras, são dúvidas freqüentes e que, por vezes, inibe a pessoa de procurar ajuda, agravando sintomas.

 

A psicoterapia oferece, primeiro, um “espaço” e um “tempo”, para que você possa estar consigo mesmo, refletindo sobre questões de ordem emocional, angústias, preocupações, organização dos pensamentos, clareza sobre seus reais valores, o reconhecimento de comportamentos repetitivos que levam, consequentemente, a resultados semelhantes, insatisfações e sofrimentos psíquicos que muitas vezes levam ao adoecimento físico.

Este espaço deve ser aconchegante, familiar, confortável e o psicoterapeuta deve ser aquele “ser” capaz de te OLHAR E ESCUTAR de forma singular. Para que o terapeuta seja eleito como “seu terapeuta”, é necessário que você sinta ter ocorrido o verdadeiro ENCONTRO. Trata-se do “Encontro Terapêutico”. É através da empatia que surge o VÍNCULO TERAPÊUTICO. Se você olhar para o terapeuta e tiver a sensação de que não será julgado em nada que disser e, portanto se sentir à vontade o suficiente para dividir com ele o que lá fora (do consultório), você não consegue, pode considerar que achou o “SEU” terapeuta. 

 

O que falar para o psicólogo? Se o vínculo terapêutico for estabelecido (e isso ocorre aproximadamente na terceira ou quarta sessão), não tenha receio, pois o que você vai dizer, surgirá de forma “natural”. O terapeuta irá te estimular e orientar a falar o que trará o alívio emocional desejado. Muitas vezes, as dores (emocionais e/ou físicas) diminuem a partir da nomeação de emoções ainda “desconhecidas” e que, por isso, podem estar sendo expressas através dos sintomas físicos (doenças).

 

Serei julgado no que contar? Não. O psicólogo tem o papel de “colaborador”, oferecendo um OLHAR compreensivo para a sua dor, sem julgamentos. Ele (psicólogo), não vai pensar “mal” sobre você. Ao contrário, ele vai te ajudar a pensar sobre você e suas questões trazidas ao consultório e que te levam ao sofrimento psíquico.

 

As pessoas vão pensar que sou louco (a) por fazer terapia? Um dos objetivos terapêuticos, sempre será Olhar mais para si e saber separar o que é “seu” e o que é do “outro”. Portanto, após um período em psicoterapia, você, provavelmente não irá se importar com o que pensam sobre você. Cabe ressaltar, porém, que hoje, psicoterapia é algo ligado à busca de qualidade de vida através de uma compreensão maior acerca de si mesmo e mundo que te cerca. Tem por objetivo cuidar da mente. Definitivamente o conceito de que psicoterapia é para “louco”, deixou de existir, trazendo a perspectiva de que você pode pensar, sentir, se comportar e VIVER de forma diferente e ser, assim, mais feliz em sua vida  

Porque optar pela Terapia Cognitiva Comportamental ( TCC)

 

Nos tempos de hoje, onde as pessoas vivem de forma diferente do mundo “antigo”, dadas as mudanças de estilos de vida, tecnologia, problemas emergenciais a serem resolvidos e dificuldades nas relações, existe a demanda da “rapidez”, que requer resoluções assertivas  e emergenciais para todo e qualquer problema de ordem emocional que leva à problemas comportamentais e que, consequentemente, agravam os conflitos internos que se refletem no externo.

 

A TCC objetiva resolução de problemas no AQUI/AGORA, verificação de estados emocionais e pensamentos disfuncionais que geram consequências destrutivas PARA SI MESMO E NAS RELAÇÕES, efetivando tratamento focado no que está acontecendo na vida do indivíduo na sua atualidade. É, porém, uma abordagem que lida com aspectos do passado que se entrelaçam com o presente e que trazem consequências ao futuro.

O tratamento psicológico em TCC, leva o indivíduo ao treinamento em habilidades sociais, à re-significação das interpretações acerca de si mesmo, mundo e futuro, colaborando para uma maior qualidade de vida por intermédio da busca pelo auto-conhecimento, assertividade comportamental e eficácia na resolutividade emergencial de aspectos ligados à todos os setores da vida do indivíduo em sua singularidade e que depende de mudanças internas.

 

O indivíduo passa a testar a disfuncionalidade de suas crenças, adquiridas ao longo de sua vida e que levam à pensamentos e emoções que geram comportamentos destrutivos, adquirindo, assim, novos padrões de pensamentos, emoções e comportamentos que trarão modificações positivas em sua vida no que diz respeito à relação consigo mesmo e com o mundo externo/pessoas.

O que é saúde mental ?

A Organização Mundial de Saúde afirma que "não existe definição "oficial" de saúde mental. Diferenças culturais, julgamentos subjetivos, e teorias relacionadas concorrentes afetam o modo como a "saúde mental" é definida. Saúde mental é um termo usado para descrever o nível de qualidade de vida cognitiva ou emocional. A saúde Mental pode incluir a capacidade de um indivíduo de apreciar a vida e procurar um equilíbrio entre as atividades e os esforços para atingir a resiliência psicológica. Admite-se, entretanto, que o conceito de Saúde Mental é mais amplo que a ausência de transtornos mentais"

Podemos pensar, então, que para um indivíduo obter Saúde Mental, é necessário buscar o equilíbrio entre pensamentos e emoções (patrimônio interno) X exigências do mundo externo. É ser capaz do EMPODERAMENTO da própria existência diante das diversas variações e modalidades que a vida oferece, ADMINISTRANDO as adversidades do dia a dia, sem perder, contudo, o respeito pelo que se acredita enquanto "jornada de vida". É ser capaz de ser o SUJEITO que conduz a própria vida no respeito a si próprio e ao outro. É a exaustiva busca da minimização e/ou retirada (por que não?) dos conflitos internos que afetam as relações

Terapia Cognitiva
Comportamental

A TCC objetiva resolução de problemas no AQUI/AGORA, verificação de estados emocionais e pensamentos disfuncionais que geram consequências destrutivas PARA SI MESMO E NAS RELAÇÕES, efetivando tratamento focado no que está acontecendo na vida do indivíduo na sua atualidade. 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now